Paróquias
Adão, Ade, Albardo, Amoreira, Cabreira, Casal de Cinza, Castanheira, Cerdeira do Côa, Marmeleiro, Mesquitela, Miuzela, Monte Margarida, Monteperobolso, Parada, Porto de Ovelha, Pousade, Rochoso, Seixo do Côa, Valongo do Côa, Vila Fernando e Vila Garcia

quinta-feira, setembro 25, 2008

Conselho Arciprestal de Catequese


Domingo, dia 28 de Setembro, às 15h00m no Salão Paroquial do Rochoso, reunem-se todos os catequistas do Arciprestado do Rochoso para o Primeiro CAC.

Neste dia:
1. irá ser eleito um catequista representante de cada paróquia,
2. será programado o ano pastoral catequético para todo o arciprestado,
3. serão ainda uniformizadas as formas de orientar a catequese paroquial,
4. será feita uma apresentação dos novos catecismos
5. uma sondagem sobre a formação necessária a ser dada ao longo do ano para os catequistas.

Pede-se ainda às pessoas da nossa comunidade que estiverem disponíveis para exercer o serviço de catequista na comunidade a coragem necessária para estar presente neste dia.

segunda-feira, setembro 01, 2008

Bispo da Guarda quer diocesanos comprometidos com moral cristã

Durante a peregrinação da Diocese da Guarda a Fátima, em entrevista à Agência Ecclesia, D. Manuel Felício indica que a formação de adultos e crianças é uma aposta da diocese

D. Manuel Felício quer cristãos comprometidos que ajam de acordo com a consciência moral cristã. “A fé ou se baseia numa moral consequente ou então não é uma verdadeira fé”, explica o Bispo da Guarda à Agência ECCLESIA.
D. Manuel Felício aponta que o povo da Guarda é mais voltado para práticas religiosas, festivas e tradições ancestrais do que para a formação na fé. “Mesmo a catequese nas crianças tem de ser sempre incentivada”, aponta o Bispo que afirma que não sendo tradicional, as pessoas entendem que “não precisam e podem passar sem formação”.
O bispo diocesano explica que o investimento ao longo dos últimos anos tem incidido na necessidade de formação na fé para todas as idades. “Sem uma formação séria e permanente na fé, as comunidades perderiam a força na sociedade em que nos encontramos”, explica. Sendo a formação uma prioridade para todas as idades, o Bispo afirma que esta é a forma de “as comunidades terem uma presença actuante e eficaz nos ambientes onde nos inserimos. A evangelização dos ambientes é absolutamente necessária, mas só se pode evangelizar com pessoas formadas, decididas e preparadas”.
Não conseguindo ainda os objectivos “não desistimos de progredir neste caminho porque pensamos que será este o caminho que vai dar futuro à Igreja, às comunidades da fé e melhor prepara os cristãos”.
A exigência da moral cristã vai conduzir a diocese ao longo de todo o ano pastoral, que vai agora iniciar. A diocese da Guarda mantém a tradição de na ultima semana de Agosto peregrinar até ao Santuário de Fátima numa forma “de colocar o ano pastoral sob protecção de Nossa Senhora”. A ligação da diocese a Fátima é forte. D. Manuel Felício explica que a diocese dispõe de duas casas em Fátima “que foram criadas para acolher mas para manter a ligação entre as dioceses”.
O peregrinação foi vivida como um tempo forte de reconciliação. “Fátima é um forte apelo à reconciliação”. A tradição de iniciar o ano pastoral em Fátima é, segundo o bispo diocesano “uma tradição boa” e a resposta diocesana “tem coincidido com o apelo”, explica.