Paróquias
Adão, Ade, Albardo, Amoreira, Cabreira, Casal de Cinza, Castanheira, Cerdeira do Côa, Marmeleiro, Mesquitela, Miuzela, Monte Margarida, Monteperobolso, Parada, Porto de Ovelha, Pousade, Rochoso, Seixo do Côa, Valongo do Côa, Vila Fernando e Vila Garcia

quarta-feira, junho 24, 2009

FESTAS




Vêm aí as Festas ! QUE FESTAS ?!?

-As festas cristãs são celebrações de fé, ante de mais. E ocasião de convívio,alegria e diversão das famílias e populações.
- MAS… é evidente que, cada vez mais, muitos mordomos são alheios à vida cristã da paróquia e ao sentido cristão da festa e às normas que procuram salvaguardar e fomentar esse espírito;
- Muitas mordomias foram-se transformando em “empresas de espectáculos” até ao ponto e níveis que todos conhecemos. Alguns espectáculos e iniciativas recreativas - com o rumo que estão a tomar – devem ser mais da competência de alguns grupos cívicos e associações, do que de mordomias religiosas… Até porque, alguns excessos das festas - contra o ambiente, a saúde e o descanso de idosos e doentes; contra o bom gosto e a boa educação; os excessos de algum consumo - ficará bem justificá-los em nome de Deus e dos santos?! Não andaremos a invocar o nome de Deus em vão?! Que testemunho estamos a dar? Que exemplo dão os cristãos à sociedade?!
- Mais: Por respeito à consciência, à intenção e fé das pessoas, deveria haver algum cuidado na aplicação das esmolas –como aliás está determinado (n.27 das Normas diocesanas); tal como deveríamos ter algum escrúpulo em gastar em nome de Deus, na igreja, algumas receitas que provenham de actividades e abusos que possam ser menos dignos de Deus e dos homens.
- Em muitas terras fazem-se, em boa harmonia e colaboração, as festas populares da terra… com diversos títulos e pretextos, a par da festa religiosa cristã. Com espaço e tempo para todos. Uns organizam os espectáculos ou diversões e outros preparam e dinamizam a festividade religiosa; onde cada um sabe para o que dá ; e onde os saldos têm destinos diferentes. “Todos amigos…mas negócios à parte”. Todos podem vir à igreja, tal como todos poderm ir ao baile… Se há saldos, num lado ou no outro, há muitas causas boas onde aplicá-los em favor das pessoas… em vez de esbanjar.
Como todos já percebemos, a sociedade, mesmo nas aldeias pequenas, hoje já não é homogénea. Já não se pode falar do “Povo” para tudo. Na mesma terra há diversas entidades-colectividades, (freguesia, paróquia, associação), com os seus membros, a sua identidade, os seus bens e objectivos próprios. Será sinal de evolução, de democracia, e de fé verdadeira e moderna, colaborarmos, mas no respeito pelas áreas de cada um.
Em nome da verdade das coisas… Em nome do respeito pelos que querem a festa religiosa ou dos que não querem nada com a Igreja e os santos: não será altura de distinguir e separar as coisas?! Não precisamos dos santos para nos divertirmos e convivermos! E, se é verdade que o convívio e diversão equilibrados fazem parte da festa cristã, tenhamos algum cuidado em não nos divertirmos e gozarmos, abusando, de Deus, dos santos…e da fé das pessoas. Olhem os muçulmanos: que alguém se atreva a brincar ou gozar com o Profeta!!
Quem tem ouvidos para ouvir; cabeça para perceber e pensar; e coração e boa vontade para acolher…pense nisto, manifeste-se e vá tomando posição.
Quanto ao pároco:ele não é senhor da festa; podem muito bem fazê-las sem ele. Mas,como todos percebem, o padre tem normas a respeitar, um dever a cumprir, um testemunho a dar, uma consciência a seguir. Pode haver situações e chegar-se a um ponto que, em consciência, há que dizer: desculpem, mas aí, assim, não posso colaborar.
Por isso os mordomos pensem: A quem querem servir?! Para quem querem trabalhar?! Haja cristãos responsáveis e adultos a tomar conta do que é vosso, enquanto é tempo: para a missa, procissão e alguma iniciativa religiosa, não é preciso grande trabalho nem despesa… O resto – cultura e recreio, quando o são?! - hoje, já nos ultrapassa, já saiu do nosso âmbito... e com todo o respeito e louvor por muitas e boas iniciativas! "A César o que de César; a Deus o que é de Deus". Pe. Coelho

sexta-feira, junho 12, 2009

Dia arciprestal da catequese








Foi uma jornada em pleno. Até o tempo ajudou: com algumas nuvens a fazer alguma sombra...para evitar queimaduras de maior.
Pelas 10,30 cada paróquia do arciprestado, com crianças e adolescentes em catequese, passou pelo palco do salão paroquial do Rochoso e encenou -com técnicas variadas- um ou dois passos da vida de S.Paulo, retirados da Actos dos Apóstolos. Grande animação, em salão cheio -há quanto tempo não se via? Quase 200 crianças/adolescentes, catequistas e alguns pais.
Pouco depois das 12 rumámos ao parque de lazer junto à ribeira, recordando ainda, em lugares oportunos, alguns passos ou palavras de Paulo. Sobre a ponte do comboio, lemos o discurso de despedida e as recomendações aos anciãos de Éfeso e... de olhos postos no horizonte longínquo apontado pela linha de comboio, dissemos "adeus" a Paulo.
No amplo parque de lazer e merendas almoçámos, à sombra dos freixos ...
A tarde foi de grande movimento: muitas equipas de 4 elementos cada, fizeram sucessivamente e com grande luta e desportivismo a variada série de jogos populares e brincadeiras.
O momento final foi de breve reflexão e oração: "passámos para o outro lado" ... da ribeira -como Jesus passou para o outro lado do mar (Jo.6) - cantámos, escutámos o milagre da multiplicação dos pães... pedimos a bêncão para os 200 pãezinhos, deliciosos e frescos, que cada um passou a buscar e foi comendo. Assim evocámos o dia seguinte: dia do Corpo de Cristo.
E...adeus até à próxima!